Batimentos Cardíacos – Eva Vilma

Batimentos cardíacos quase que nulos
a dor agonizante pela morte dos que não vieram.
Entremeio ao caos da instituição,
clínica de aborto clandestino
escancarada à sociedade,
ainda sonho com nascimentos
batizo ideias
nomeio pequenos e grandes sonhos
e fujo, até onde posso,
da injeção salina,
das agulhas de qualquer espécie,
do citotec.
Gestação das crenças vai vingando,
um dia hei de parir qualquer mudança.

Eva Vilma.
Imagens cósmicas, eternizadas, podem livrar o sujeito de ser descartado junto com os dejetos da sociedade de consumo. O afeto familiar, as lembranças de infância, opõem-se à superficialidade dos contatos virtuais. A poetisa exprime o desejo de que o tempo seja vivido radicalmente enquanto kairós, antes que seja deletado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *