Sobre a Vírgula

Não tenho, nem de longe, o conhecimento gramatical do Prof. Pasquale, mas achei muito legal a campanha dos 100 anos da ABI, (Associação Brasileira de Imprensa),  sobre a vírgula.
Uma grande maioria da população tem uma certa repulsa as leis gramaticais e, por esse motivo, não conseguem assimilar muito bem as colocações corretas da vírgula em uma redação.
Em casos jurídicos ela pode ser motivo da condenação ou liberdade de um acusado dependendo de sua colocação em uma frase. Vejas os exemplos abaixo:

Vírgula pode ser uma pausa… ou não.
Não, espere.
Não espere.

Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.


Pode ser autoritária.
Aceito, obrigado.
Aceito obrigado.

Pode criar heróis.
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.

E vilões.
Esse, juiz, é corrupto.
Esse juiz é corrupto.

Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

A vírgula pode ser ofensiva.
Não quero comprar seu porco.
Não quero comprar, seu porco.

Uma vírgula muda tudo.

Detalhes Adicionais
SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA
PROCURA.

Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER.
Se você for homem, e colocou a vírgula depois de TEM, tome muito cuidado ao atravessar a rua.

Nota: a ABI ja tem 102 anos foi criada em 7 de abril de 1908, seu principal objetivo era assegurar à classe jornalística os direitos assistenciais e tornar-se um centro poderoso de ação. Segundo o próprio Lacerda, a Associação deveria ser um campo neutro em que se pudessem abrigar todos os trabalhadores da imprensa. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *