Dia de Los Muertos

O Día de los Muertos não é uma versão mexicana para o Dia das Bruxas. Anterior à civilização asteca, esta data parte da crença de que a vida não acaba com a morte, mas continua em outro plano, como um segundo momento de uma mesma existência. O início de novembro é a época em que a fronteira entre os dois planos fica tênue e os mortos voltam para casa para visitar aos seus queridos amigos e familiares. Os mexicanos, anfitriões alegres e hospitaleiros, montam uma grande festa para receber as pessoas que já morreram e aproveitam para brincar, tirar sarro e assumir a morte como uma realidade da qual ninguém escapa. As ruas, vitrines e padarias de todo o país se vestem com adornos em forma de caixões e esqueletos. As famílias vão para os cemitérios onde comem e dançam embalados ao som dos mariachis.

No México, o Dia dos Mortos é uma celebração de origem indígena, que honra os defuntos no dia 2 de novembro. Começa no dia 1 de novembro e coincide com as tradições católicas do Dia dos Fiéis Defuntos e o Dia de Todos os Santos. Além do México, também é celebrada em outros países da América Central e em algumas regiões dos Estados Unidos, onde a população mexicana é grande. A UNESCO declarou-a como Patrimônio da Humanidade.
As origens da celebração no México são anteriores à chegada dos espanhóis. Há relatos que os astecas, maias, purépechas, náuatles e totonacas praticavam este culto. Os rituais que celebram a vida dos ancestrais se realizavam nestas civilizações pelo menos há três mil anos. Na era pré-hispânica era comum a prática de conservar os crânios como troféus, e mostrá-los durante os rituais que celebravam a morte e o renascimento.
O festival que se tornou o Dia dos Mortos era comemorado no nono mês do calendário solar asteca, por volta do início de agosto, e era celebrado por um mês completo. As festividades eram presididas pela deusa Mictecacíhuatl, conhecida como a “Dama da Morte” (do espanhol: Dama de la Muerte) – atualmente relacionada à La Catrina, personagem de José Guadalupe Posada – e esposa de Mictlantecuhtli, senhor do reino dos mortos. As festividades eram dedicadas às crianças e aos parentes falecidos.
É uma das festas mexicanas mais animadas, pois, segundo dizem, os mortos vêm visitar seus parentes. Ela é festejada com comida, bolos, festa, música e doces preferidos dos mortos, os preferidos das crianças são as caveirinhas de açúcar.
Fonte: Wikipedia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *