2ª Mostra Efeito Hip Hop na Concha Acústica Helena Meirelles

Campo Grande (MS) – O governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio de sua Fundação de Cultura (FCMS), promove no próximo sábado (17), às 19h, na Concha Acústica Helena Meirelles, a 2ª Mostra Efeito Hip Hop. Grupos de dança de seis municípios do interior apresentarão ao público os trabalhos desenvolvidos em suas regiões.
Os grupos que receberam o projeto esse ano e que irão participar do encerramento na mostra são: H²A (Aquidauana), NEW STYLE (Aral Moreira), STREET GARDEN (Jardim), SIMBIOSE STREET DANCE (Três Lagoas), CRAZY DANCE (Naviraí) e IMPACTO DE RUA (Paranaiba). O evento contará ainda com a participação dos grupos: Cia Dançurbana, Baraque Street Art e Funk-se.
O Projeto “Efeito Hip Hop” beneficiou em nesse ano 250 jovens e tem como objetivo incentivar a formação de grupos de dança de rua pelos municípios, além de gerar multiplicadores. A intenção é despertar nos jovens participantes a possibilidade de expressão através da dança, da produção em coletivo e do próprio corpo.
Os professores envolvidos no peojetos são Edson Clair, Marcos Mattos e Kleber Leonn. Edson Clair é diretor e um dos coreógrafos do grupo FUNK-SE, com 16 anos de muita atividade, produção e disseminação do seu trabalho pelo Estado e país, dirige também o grupo Street Pop e o Estúdio Funk-se.
Marcos Mattos é diretor e um dos coreógrafos da Cia Dançurbana, com 10 anos de trabalho, dirige ainda o grupo Expressão de Rua, a casa de Arte Dançurbana e desenvolve projetos com dança de rua em Campo Grande, Nova Alvora e Corumbá.
Kleber Leonn, foi bailarino do grupo Funk-se e um dos coreógrafos e diretor da Cia Dançurbana. Educador físico, desenvolve projetos de dança de rua por meio da secretaria estadual de educação.
Com o aumento do número de encontros nos municípios e com o amadurecimento técnico dos alunos, os professores tiveram a oportunidade de convidar para o projeto outros profissionais de Campo Grande, entre estes, Reginaldo Borges, Rogger Castro, Irineu Ruach, Diogo Grisoste, Ariane Nogueira, Eliezer de Souza, B-boy Carlos Wuillian, Wellington Ramos para os auxiliarem em alguns encontros no ensino de diferentes técnicas da dança de rua para os alunos.
“O objetivo do projeto é alcançado quando os municípios se envolvem e aliam forças na ideia e acompanhamento do projeto. Em municípios como Três Lagoas, Aral Moreira e Naviraí os grupos formados já estão se fortalecendo, ganhando espaço local e o ano que vem já poderão participar dos editais promovidos pela FCMS, e assim quem sabe circular pelo Estado; além disso, em Três Lagoas e Aral Moreira, como multiplicadores, já foram contratados pelo próprio município para ministrarem aula para iniciantes e acompanharem o grupo formado”, afirma a coordenadora do Núcleo de Dança da FCMS, Júlia Aissa.
Américo Calheiros, presidente da FCMS, complementa que o projeto facilita o acesso da juventude à dança como forma de expressão, e também, estimula a criação de grupos de dança de rua no interior do estado. “Além de ser uma meta do governo do Estado nós acreditamos no potencial da dança como arte transformadora de vidas”.
Mais informações podem ser obtidas no Núcleo da Dança da FCMS com Júlia Aissa pelo telefone (67) 3316-9169, ou pelo blog do projeto: http://efeitohiphop.blogspot.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *